A Eletroterapia na Podologia

A Eletroterapia na Podologia
por Márcia Nogueira

Eletricidade

Podemos dizer que eletricidade é uma forma de energia. A energia é definida como capacidade de trabalho, portanto é um potencial armazenado. Desde a antiguidade, fenômenos físicos, envolvendo a eletricidade, vêm sendo observados. Todavia, somente nos últimos séculos é que os cientistas passaram a entendê-los melhor.

Para explicar certas atrações e repulsões entre as massas dos objetos, atribuímos a eles uma propriedade chamada de carga elétrica. Ela pode ser de dois tipos: positiva ou negativa. O conjunto de cargas em movimento é denominado: corrente elétrica.

Alta-freqüência:

Quando a freqüência das etapas de intensidade de uma corrente elétrica, ultrapassa alguns centésimos de ampéres, provocam reações no organismo humano. Quanto mais rápida a freqüência das etapas, chegando à cifra de 1.000 por segundo ou mais, ela atravessa o organismo, dando a impressão de calor. É o que acontece com a corrente de alta-freqüência, pois pela rapidez de alternâncias, neutraliza qualquer efeito químico e faz com que a percepção sensível seja impossível. Somente se percebe o fenômeno que resulta, na elevação da temperatura.

A estética começou a utilizar esse equipamento em 1938, na França, hoje em dia é um dos auxiliares indispensáveis para o profissional, pela amplitude de sua utilização.

O aparelho gera corrente elétrica de intensidade controlada e indolor.

Possui uma bobina de alta tensão conectada a um eletrodo de vidro, que contém um gás, produzindo um fluxo de luz fraca e faíscas que, ao entrarem em contato com o ar, liberam átomos de oxigênio, gerando o ozônio (O3).

Ozônio:

Tem sua origem não como produto químico, mas como gás. É um gás com odor penetrante, que se dissolve rapidamente em contato com o ar. É uma forma instável do oxigênio, na qual 3 átomos, combinados, formam a molécula O3 .

Se a luz solar não fosse filtrada pela camada de ozônio, a vida na Terra não seria possível.

Aplicação do ozônio:

Na Medicina: Possui propriedades bactericida, bacteriostática (controla a proliferação de certas bactérias), fungicida, viruscida e cicatrizante. Vem sendo usada com eficácia desde 1930, no tratamento de diversas afecções da pele e na fisioterapia.

– Na conservação de frutas e carnes.

– Na odontologia, no tratamento da água mineral.

– Na purificação de ar e renovação do ar confinado.

– Na esterilização de ambientes.

– No tratamento de águas industriais.

– Na estética, o vapor é utilizado há aproximadamente 16 anos.

– Na podologia, como veremos a seguir:

Penetra no corpo humano pelas vias: pulmonares, mucosas e cutâneas. Pela pele, penetra de acordo com o estado de hidratação, considerando sua espessura.

As principais ações do ozônio são: bactericida (destrói algumas bactérias que colonizam a pele), viruscida (cauteriza verrugas), fungicida (destrói certos fungos) e hemostática (cauterizante).

É um desinfetante poderoso e eficaz. Favorece a circulação local e geral, regenerando assim, a epiderme.

IMPORTANTE:

A utilização do ozônio em pequenas concentrações, quase não apresenta contra-indicação.

São utilizados três tipos de gases que dão cor aos eletrodos. São eles:

NEON: Possui coloração laranja- avermelhada e é indicado para peles sensíveis e delicadas.

CHENON: Possui coloração azulada e uma ação mais agressiva sobre a pele. É indicado para peles menos sensíveis.

ARGON: Possui coloração azul-arroxeada e é indicado para peles mistas.

Aplicação do Alta- freqüência

Com a aplicação do eletrodo, a circulação periférica é estimulada pela ação elétrica. Nesse momento são facilitadas as trocas de metabolismo, que são fenômenos físico-químicos que mantêm a vida do organismo, assimilando substâncias essenciais à vida. Tem poder oxidante, pois age como renovador celular. Seu efeito hemostático estanca pequenos ferimentos e destrói agentes invasivos pelo efeito esterilizante. É diatérmico, pois, proporciona aquecimento do tecido promovendo sua vascularização. Possui também ação destrutiva diante de algumas dermatoses.

Na podologia

Podemos aplicar o equipamento de alta-freqüência na podologia de maneira consciente e adequada, usufruindo de todos os seus benefícios na intenção de proporcionar ao cliente um tratamento moderno, diferenciado e renovador.

Existe no mercado um aparelho (em forma de maleta ou com fontes pequenas) com eletrodos adaptados, especificamente, para o tratamento dos pés. São 5  os eletrodos anatômicos, aplicados em procedimentos podológicos.

Aparelho de Podologia
Nesse aparelho é produzido o gás NEON, por ter ação menos agressiva à pele que os outros.

São eles:

1. Faiscamento direto

2. Rabo de baleia

3. Cachimbo pequeno

4. Cachimbo grande

5. Cebolinha

O eletrodo 1 (faiscamento direto) é utilizado em locais de difícil acesso, no contorno do eponíqueo (cutícula) e sobre pequenos pontos de lesõesfissuras e verrugas, através da fulguraçãoO eletrodo 2 (rabo de baleia) é utilizado com a técnica de fluxação, na assepsia profunda e preventiva, diretamente sobre a pele, podendo também ser utilizado no espaço interdigital, prevenindo assim, a candidíase e a frieira.Os eletrodos 3 e 4 (cachimbo P e G) são utilizados na cauterização de lesões na pele e tratamento de patologias ungueais , tais como: onicomicose (fungos nas lâminas), onicocriptose (unhas encravadas ou fissuras) e em lesões pápulo-postulosas, que não podem ser esvaziadas.Em granuloma piogênico sua ação é comprovadamente eficaz, diminui o granuloma, pois,age como bactericida.O eletrodo 5 (cebolinha) é utilizado para fazer a antissepsia e assepsia no procedimento ou preparar a pele para uma hidratação profunda, antes e depois da utilização dos produtos, através da fluxação.
Cuidados

Eletrodo 1

Eletrodo 2

Eletrodos 3 e 4

Eletrodo 5

Devemos ter o máximo de atenção para NÃO utilizar o equipamento sobre peles com produtos que contenham álcool, substâncias inflamáveis ou com manchas e pintas de coloração e espessuras alteradas.

Pode ser aplicado em todos os tipos de pele, desde que ela esteja seca e sem nenhum produto para que o ozônio atue com todas suas propriedades. Para higienizar os eletrodos, basta limpá-los com papel toalha e álcool 70°.

Para introduzir os eletrodos na bobina, deve-se encaixá-lo na posição vertical, a fim de evitar que o eletrodo se solte e se quebre. Antes de ligar o aparelho, o eletrodo deve estar encaixado. Ao ser ligado aumentar gradualmente a posição do botão, testando assim, a sensibilidade do cliente. Enquanto o aparelho permanece ligado, o eletrodo deve manter contato com a pele.

Está contra-indicado para:

Diabéticos descompensados.
Grávidas.
Portadores de marca-passo e pinos metálicos.
– Pacientes que sofrem de convulsões.
Pacientes neoplásicos (com câncer).
Portadores de problemas hormonais.

O eletrodo permanece por até 8 minutos no mesmo local  em casos de cauterização, nos casos de fluxação  não devemos manter o eletrodo por mais de três segundos no mesmo local, pois, a pele poderá ficar com manchas.

Devemos ressaltar a importância da anamnese, que deve ser preenchida como avaliação inicial, antes de se iniciar qualquer procedimento podológico.

Saber do passado e presente clínico do nosso cliente nos é de grande valia por ser uma atitude acima de tudo, profissional.

O auxílio eletroterápico na podologia tem caráter preventivo, além de auxiliar no tratamento de várias patologias dermatológicas e ungueais, pois oxigena, renova e protege.

obs: Fonte das fotos: Profa e Pdga Márcia Nogueira.

Compartilhe este artigo com os seus colegas pelo Facebook, Twitter, E-mail, clicando nos botões abaixo. Escolha onde e como quer compartilhar! Se preferir, você pode adicioná-lo aos seus favoritos!

Aprenda os 5 passos para obter o PÉ PERFEITO aplicando a metodologia SPA DO PÉ!

15 Comentários

  1. Fabiana dos Santos Augusto

    Artigo de aplicação de Alta Frequencia.

  2. Luciana

    candidíase não é frieira!!

    • Anônimo

      Obrigado pela informação Luciana, esta será passada para a autora do artigo. Atte. Marcelo

    • Podologamarcianogueira

      Olá Luciana , tudo bem?
      Realmente houve um erro na digitação.
      Onde se lê:candidíase (frieira) leia : candidíase e frieira
      Vamos corrigir
      Desculpe a falha .
      Obrigada!
      Pdga.e prof.ª Márcia Nogueira

      • DANIELY MANHÃES

        GOSTARIA DE SABER A DATA DE PUBLICAÇÃO (DIA/MÊS/ANO),DESTE ARTIGO?
        DESDE JÁ AGRADEÇO E AGUARADO A RESPOSTA!

  3. quiteria

    Quiteria gostaria de fazer custa caro?

  4. Quiteria

    a maioria não tem noção do que é podologia tirei muitas dúvidas gostaria de fazer custa caro?

    • Quiteria, tudo bom?

      Que bom saber que nosso conteúdo sobre Podologia tenha te ajudado a tirar suas dúvidas.
      Com relação ao curso de Podologia, a Professora Márcia Nogueira que é podóloga poderá te ajudar melhor.
      Estou enviando um e-mail para ela entrar em contato com você.

      Atte.

      Marcelo

  5. Fe

    A alta frenquencia é muito eficaz na podologia para tratamento de feridas e gostaria de atualizar com outros procedimentos com cursos online. Meu email é [email protected]. muito obrigada e aguardo retorno…

    • shinseicosmeticos

      Olá,
      A Professora Podóloga Márcia Nogueira poderá te passar maiores orientações conforme explicado por e-mail.
      Atte.
      Marcelo

  6. celia

    eu tbm queria saber sobre o curso de podologia

    • marcelo

      Celia, tudo bom? A Shinsei oferece apenas workshops, cursos livres e de formação continuada na área de Podologia. Não temos curso de graduação em Podologia. Para maiores informações, acesse: http://www.shinsei.com.br/profissional/cursos/ Atte. Marcelo

  7. Roseleny Dutra

    Tô querendo saber de cursos on line. Fiquei interessada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *