Pé Diabético

Pé Diabético

O Pé Diabético é o resultado de complicações crônicas neurológicas e vasculares periféricas, que acometem os membros inferiores de pessoas portadoras de DIABETES MELLITUS (DM).

Estas complicações ocorrem, em grande maioria das vezes em portadores de DM, que infelizmente não controlam adequadamente sua glicemia.

Na neuropatia diabética todas as fibras sensitivas, motoras e autonômicas são afetadas, portanto a pessoa perde a sensibilidade dolorosa de percepção de pressão e temperatura das extremidades.

Estas complicações causam:

  • formigamento;
  • queimação;
  • pontada;
  • sensação de frio e calor e
  • fraqueza nas pernas e nos pés.

Estes sintomas apresentam-se mesmo com a pessoa em repouso ou à noite, quando está deitada.

Os portadores de DM, quer seja do tipo I (diagnosticadas durante a infância) ou do tipo II (que apresentam o diabetes ao longo da vida adulta e geralmente está associado ao sedentarismo, à obesidade. à dislipidemia – colesterol e triglicerídeos elevados – e outros) devem “auto examinar” diariamente seus pés e procurar orientação médica se for verificado alguma rachadura, ressecamento, bolha ou após um trauma. 80% das úlceras em pacientes diabéticos são oriundas de traumas e calçados inadequados.

A lesão inicia-se por uma pequena ulceração (ferimento) que localiza-se preferencialmente interdigital (entre os dedos), deformidades dos dedos; halux valgo (joanete); dedos em garra; dedos um sobre o outro; região plantar (planta dos pés); hiperceratose plantar (calos); rachaduras; ressecamentos com ou sem feridas.

A melhor prevenção para o PÉ DIABÉTICO é, sem dúvida alguma, o controle adequado da Glicemia.

Outros fatores estão exemplificados abaixo, om situações rotineiras de pessoas que apresentaram úlceras em Pé Diabético: Mulher diabética, ao sair da praia não realizou lavagem dos pés adequadamente, colocou tênis, caminhou até sua residência e ao ir tomar banho observou discretas lesões nos dedos em razão de estar com areia da praia.

Homem diabético, realizando conserto em sua residência, perdeu um parafuso e somente ao tomar banho, ao entardecer, encontrou o parafuso dentro de seu sapato e verificou que houve uma lesão no pé. Ambos são portadores de neuropatia periférica, por isto não sentiram no inicio dor das lesões. A falta de sensibilidade é um fator de risco.

As consequências do PÉ DIABÉTICO são as amputações de dedo, dedos, parte do pé, todo o pé e infelizmente 50% das amputações não traumáticas em todo o mundo são devido ao PÉ DIABÉTICO.

Cuidado com os Pés

O Diabetes mal controlado pode causar uma série de doenças nos membros inferiores. A boa notícia é que isso pode ser evitado mantendo um bom controle glicêmico e tendo atitudes e ações simples de cuidados que vão prevenir as complicações relacionadas aos pés.

As complicações mais comuns são neuropatias, úlceras, infecções, isquemia ou trombose. Se não for tratado o pé diabético pode levar a amputação.

O que você deve fazer para evitar as complicações:

  • Examine seus pés diariamente em um local iluminado a procura de rachaduras, micoses, frieiras, lesões e/ou calosidades. Se tiver dificuldade para fazer sozinho, peça a ajuda de alguém ou utilize um espelho para ter uma visão completa;
  • Lave-os diariamente com água morna e sabonete;
  • Seque bem entre os dedos com uma toalha limpa e macia. Não utilize secador;
  • Hidrate a parte superior e inferior dos pés com creme hidratante, mas não aplique entre os dedos, para evitar umidade entre os dedos;
  • Corte as unhas em linha reta e apare levemente os cantos com uma lixa. Se tiver dificuldades procure um profissional especializado, o podólogo;
  • Use meias sem costura para não machucar os pés, de algodão para que absorvam bem a umidade e de cores claras para que se houver alguma lesão você tenha facilidade de visualizar.
  • Utilize sempre sapatos macios que sejam confortáveis  aos seus pés. Dica: É aconselhável comprar os sapatos sempre no final do dia, pois ao experimentá-los seus pés estão mais inchados. Nunca utilize um calçado novo por muitas horas seguidas nos primeiros dias de uso. Se quiser utilizar sapatos abertos, prefira os de tiras largar e fechados na parte de trás.
Procure a ajuda de um especialista (médico ou enfermeiro) se:
  • Identificar qualquer infecção, bolha ou lesão no pé que não se cura em 1 ou 2 dias;
  • Notar os pés frios constantemente;
  • Coçar e tiver rachaduras entre os dedos;
  • Sentir dor e cãibras nas pernas ou nos pés;
  • Tiver unhas encravadas, calos ou joanetes.

Lembre-se: cuide sempre dos seus pés, prevenir é o segredo!

Fonte: Informativo nº11 Abet

Aprenda os 5 passos para obter o PÉ PERFEITO aplicando a metodologia SPA DO PÉ!

2 Comentários

  1. Maria Aparecida Rsmos

    Quero comprar creme de parafina e creme para fissuras, favor mandar tabela. Des de já agradeço. Cida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *